Com apoio de Vander e Zeca, Ignácio de Loyola Brandão vem a Campo Grande

Loyola Brandão é o convidado do projeto DC no dia 28 de maio
Loyola Brandão é o convidado do projeto DC no dia 28 de maio

O jornalista e escritor Ignácio de Loyola Brandão é o convidado do dia 28 de maio (segunda-feira) do projeto Diálogos Contemporâneos, que tem trazido para Campo Grande grandes pensadores e intelectuais para discutirem com a população os grandes temas da atualidade. “A cultura do descarte, a sociedade de consumo e a tragédia do meio ambiente” é o tema da sexta conferência, que começa às 19 horas, na Câmara Municipal, com entrada franca.

O projeto é uma realização da Associação Amigos do Cinema e da Cultura e do Ministério da Cultura, por meio de uma emenda parlamentar dos deputados federais Vander Loubet e Zeca do PT.

Loyola Brandão é autor do célebre romance “Não verás país nenhum”, lançado em 1982 e traduzido para 14 línguas. Com mais de um milhão de exemplares vendidos, adotado em diversas escolas, o livro ajudou a formar vários movimentos verdes pelo País.

Bastante conhecido pelo público campo-grandense, Ignácio dispensa maiores apresentações. Nascido em Araraquara em 1936, trabalhou como jornalista no jornal Última Hora e nas revistas Claudia, Realidade, Planeta, Lui, Ciência e Vida e Vogue. Tem mais de 40 livros publicados, entre romances, contos, crônicas, viagens (Cuba e Alemanha) e infantis. Entre seus romances mais conhecidos estão “Bebel que a cidade comeu”, “Zero”, “Não verás país nenhum”, “O beijo não vem da boca”, “Dentes ao sol”, “O anjo do adeus” e “O anônimo célebre”. Seus livros estão traduzidos para o inglês, alemão, italiano, espanhol, húngaro, tcheco e coreano. Com o infantil “O menino que vendia palavras”, ganhou o Prêmio Jabuti de Melhor Livro de Ficção de 2008. Em 2016, recebeu da Academia Brasileira de Letras o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra.

Em Campo Grande, a fala de Loyola Brandão será diversa, porque não será técnica, nem especializada, nem destinada a provocar tumultos. Será, antes de tudo, poética e avassaladora. “Vou contar como a literatura já olhou para os problemas do meio ambiente e inclusive previu a crise atual, quase 40 anos atrás”, explica o jornalista, referindo-se a 1982, ano de lançamento de “Não verás país nenhum”. Única voz da literatura brasileira que mostrou com ferocidade o futuro que aqui está, Ignácio diz que conseguiu isto sem bola de cristal: simplesmente lendo e olhando o que acontecia no Brasil, no mundo, em nossos bairros. Sua palestra na Câmara Municipal certamente vai arrebatar corações e mentes, como sempre acontece. Não dá pra perder!

O ciclo de conferências e debates vai até junho. Os convidados dos próximos eventos serão o jornalista Luis Nassif, no dia 4 de junho (que vai substituir o economista Luiz Gonzaga Beluzzo, que não poderá vir à Capital como estava programado), e a antropóloga e professora Mirian Goldenberg, no dia 11 de junho. A programação do projeto e notícias relacionadas podem ser acompanhadas pelo Facebook: www.facebook.com/amigosdacultura.